contos sol e lua

contos sol e lua

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

À procura da felicidade.

Procustes: o ladrão de almas. Este mito conta a história dos caminhantes que viajavam para Atenas e eram atraídos por Procustes que lhes oferecia abrigo e comida. Uma vez deitados, Procustes amarrava-os e verificava se cabiam na cama, cortando-lhes as partes sobrantes, se fossem demasiado grandes, ou esticando-os dolorosamente, se fossem muito pequenos. Esta narrativa constitui uma metáfora de uma parte da nossa vida. Atenas simboliza o centro dos nossos objectivos, o sucesso a atingir, o êxito que delineámos. Mas nós não somos os únicos autores desta construção mental, do que idealizámos para nós. Os nossos pais começaram desde cedo, estabelecendo patamares que gostariam de ver realizados, depositando em nós muitas expectativas. No entanto, na maior parte das vezes, o seu sonho ainda menino não tem em conta a nossa singularidade, as nossas possibilidades e tendências, traços que a Astrologia ensina a identificar. O bebé que recebem é uma projecção do ser ideal, distante do ser real. Deste modo, Atenas é a metáfora de felicidade que varia consoante a cultura em que nascemos, o grupo social, a educação que recebemos, o sexo e a religião em que nos encontramos integrados. Atenas resulta, assim, de um triângulo nem sempre em equilíbrio: do meio envolvente, do que desejamos e do que os outros esperam de nós, aos níveis familiar, afectivo, profissional e social. Desde que nascemos que nos empurram para Atenas, ensinando-nos, moldando-nos, castigando-nos ou premiando-nos, durante as sucessivas etapas da infância e da juventude. Primeiro a família, depois a escola, o grupo de amigos, vamo-nos moldando, sempre em função de padrões comportamentais, em busca de sucesso, de reconhecimento, de aprovação, de afecto. Este processo de automutilação psíquica e de sacríficio desmedido acontece-nos amiúde e de forma inconsciente, muitas das vezes: quando a família nos crítica por determinadas atitudes ou devido a traços da nossa personalidade, quando o grupo nos rejeita por algum aspecto do nosso carácter, quando somos humilhados pela imagem física, quando sentimos que podemos ser abandonados por uma determinada atitude e tememos actuar, quando as memórias nos magoam e as amachucamos no fundo de nós, quando adoptamos posturas para não perdermos o emprego ou para subirmos na escala social. Desmembrando-nos ou esticando-nos, lá vamos a caminho de Atenas, aquela que projectámos, a terra prometida. O processo de moldagem – através do castigo, do prémio, da humilhação, do medo, da culpa, do julgamento social, da dor - de adaptação à cama de Procustes é dolorosa porque vamos abdicando de partes de nós, esquecendo outras, adormecidas e jogadas para o fundo do nosso íntimo, sacrificando-nos até não podermos mais. Aprendemos, ainda que distorcidamente, que devemos tudo isso para não sermos abandonados, rejeitados, humilhados, para não deixarmos escapar a felicidade, o sucesso profissional, o amor. Com o tempo, vamos perdendo a autenticidade, afastamo-nos da nossa natureza divina, amorosa e livre. Ficamos presos à cama de Procustes. Corremos sérios riscos de nos tornarmos inseguros, medrosos, ansiosos, amargos, intolerantes, perdendo pouco a pouco a autoestima. Vamo-nos isolando em terrenos íntimos, descrentes de que alguma vez atinjamos Atenas, mas, ainda assim, ela permanece como a terra prometida, até se tornar uma imagem distante, embaciada, difusa. Quando somos lançados em ciclos de crise profunda, somos convidados a descer ao mais íntimo de nós. Aí, olhamo-nos e vemo-nos a caminhar coxeando, porque mutilados; perdemos o equilíbrio, a segurança no andar. O sacrifício trouxe-nos um cansaço que secou a alma. Ao que sobrou de nós, juntam-se anos de medos, de culpas, de cansaços, de humilhações, de dor, de ressentimentos, de mágoas. Olhamos pedaços de nós que foram esquecidos, adiados, cortados e jogados fora. As crises podem ser processos de recuperação do nosso ser, de retorno à nossa autenticidade, de (re)decoberta da nossa natureza divina. Só nós podemos iniciar a mudança, só nós podemos resgatar-nos do processo de mutilação e de sacríficio desmesurado a que concordámos em nos submeter. Só nós podemos libertar-nos do que nos oprime e restringe. Só nós podemos sonhar Atenas, de novo, em função do que somos, do que queremos, do que valorizamos, do que é autêntico e verdadeiro para nós, do que amamos. Só nós podemos devolver a nós próprios a inteireza perdida. Maria Coriel

terça-feira, 21 de junho de 2016

Hooponopono.

Hooponopono é um dos métodos de auto-cura mais efetivos que existe, porque se baseia no amor expressado através de tuas palavras para chegar até seu subconsciente, que é onde residem as memórias que obstaculizam os processos vitais. Hooponopono foi impulsionado pelo Dr. Len que se baseou na filosofia hawaiana para sanar memórias, pessoas, espaços e situações. Para praticar Hooponopono não necessitas determinados estados de relaxamento. Podes pronunciar suas frases chaves em qualquer momento do dia, mesmo que estejas desenvolvendo outra atividade. Com Hooponopono podes eliminar pela raiz tua dor emocional ou física, simplesmente reconhecendo-a como uma memória e agradecendo-a por ter saído à superfície, para que possas curá-la. Igualmente sucede quando tens conflitos com as pessoas ao teu redor e para iniciar teu processo de limpeza estabeleces em tua consciência o ponto comum entre elas e ti, para que desta forma, possa pedir-lhes perdão, por esse difícil momento que foi ocasionado no passado ou em um momento paralelo a este, criando uma mesma consciência universal. Desta forma, recuperas tua paz interior e teu equilíbrio em relação com os demais seres da Terra. Hooponopono te libera da trama mental que significa fazer entender, convencer alguém de que deve mudar. Te libera da ilusão que significa pretender modificar os comportamentos dos demais. É a prática interior e individual que limpa e transmuta as memórias do passado que constantemente penetram tua mente, transformando-a em pura luz, de maneira que chegue a ti a inspiração da Divindade. O ideal é que tenhas a disposição de praticar este áudio as vezes que sejam necessárias, tendo em conta que quanto mais o faça, mais curarás memórias de teu passado, sem ter que reviver lembranças dolorosas. As frases de Hooponopono estão dirigidas à Divindade que há em ti, ao Deus/Deusa que tu és e de igual maneira a toda a humanidade com sua história de sofrimento que é exatamente quem tu és. Agora escutarás as chaves que te permitem desde já aceder a tua história pessoal de maneira tranqüila e a sua vez, te permitem sentir mais satisfação e sentido de pertencer com teu lugar neste Planeta. Oração ao Criador Divino Criador Pai, Mãe, Filho, todos em Um, Se eu, minha família, meus parentes e antepassados Ofendemos tua família, parentes e antepassados Em pensamentos, palavras, fatos ou ações Desde o inicio de nossa criação até o presente; Nós pedimos teu perdão Deixe que isto se limpe, purifique, libere E corte todas as memórias, bloqueios, energias e vibrações negativas Transmuta essas energias indesejáveis em pura luz. E assim é. Para limpar meu subconsciente De toda a carga emocional armazenado nele, Digo uma e outra vez durante meu dia As palavras chaves do Hooponopono Eu sinto muito, me perdoa, obrigado, eu te amo. Me declaro em paz com todas as pessoas da Terra E com quem tenho dívidas pendentes Por esse instante em seu tempo Por tudo o que não me agrada de minha presente vida Eu sinto muito, me perdoa, obrigado, eu te amo. Eu libero todos aqueles de quem acredito Estar recebendo danos e mal tratos Porque simplesmente me devolvem O que eu os fiz antes Em alguma vida passada Eu sinto muito, me perdoa, obrigado, eu te amo. Ainda que me seja difícil perdoar alguém Eu sou quem pede perdão a esse alguém agora Por esse instante em todo tempo Por tudo o que não me agrada de minha vida presente Eu sinto muito, me perdoa, obrigado, eu te amo. Por este espaço sagrado que habito dia a dia E com o qual não me sinto confortável com isto Eu sinto muito, me perdoa, obrigado, eu te amo. Pelas difíceis relações das quais guardo somente lembranças ruins Eu sinto muito, me perdoa, obrigado, eu te amo. Por tudo o que não me agrada na minha vida presente De minha vida passada, de meu trabalho Ou o que está ao meu redor Divindade, limpa em mim o que está contribuindo com minha escassez Eu sinto muito, me perdoa, obrigado, eu te amo. Se meu corpo físico experimenta Ansiedade, preocupação, culpa, medo, tristeza, dor... Pronuncio e penso: minhas memórias, eu te amo Estou agradecida pela oportunidade de libertá-los a voces e a mim Eu sinto muito, me perdoa, obrigado, eu te amo. Neste momento afirmo que ...eu te amo. Penso em minha saúde emocional E na de todos os meus seres amados...te amo Para minhas necessidades e para aprender a esperar sem ansiedade, sem medo Reconheço as memórias aqui.....sinto muito, te amo. Minha contribuição para a cura da Terra Amada Mãe Terra, que és quem Eu sou Se eu, minha família, meus parentes e antepassados Te maltratamos com pensamentos, palavras, fatos e ações Desde o inicio de nossa Criação até o presente Eu peço teu perdão Deixa que isto se limpe, purifique, libere e corte todas as memórias, bloqueios, energias e vibrações negativas. Transmuta estas energias indesejáveis em pura luz. E assim é. Para concluir, faço de teu conhecimento Que este áudio é minha contribuição À tua saúde emocional Que é a mesma minha Então esteja bem. E na medida que tu vais te curando, eu te digo que Eu sinto muito pelas memórias de dor que comparto contigo. Te peço perdão por unir meu caminho a ti para curar Te dou as graças porque estás aqui por mim E eu te amo por ser quem és.

segunda-feira, 25 de abril de 2016

o poder mistico da coruja.

A coruja é a ave soberana da noite. Para muitos povos ela significa mistério, inteligência, sabedoria e conhecimento. Ela tem a capacidade de enxergar através da escuridão, conseguindo ver o que os outros não veem. A coruja simboliza a reflexão, o conhecimento racional e intuitivo. Na mitologia grega, Atena, a deusa da sabedoria e da guerra, tinha a coruja como símbolo. Atena ficou tão impressionada com a aparência da coruja, que a tomou como sua ave favorita. Ela é também escolhida como mascote dos escoteiros, cursos universitários de Filosofia, Pedagogia e Letras. Havia uma tradição que dizia que quem come carne de coruja, adquire seus dons de previsão e clarividências, mostrando poderes divinatórios. Enquanto todos dormem a coruja fica acordada, com os olhos arregalados, vigilante e atenta aos barulhos da noite. Por isso, representa para muitas culturas uma poderosa e profunda conhecedora do oculto. A coruja tem a particularidade de conseguir girar o pescoço, quase atingindo um ângulo de 360º, para observar algo ao seu redor, permanecendo com o resto do corpo sem o menor movimento. O que amplia seu angulo de visão, muito superior ao do ser humano. Sua grande capacidade de visão e audição as torna exímias caçadoras. Conta-se, que em uma língua nórdica antiga, ela era chamada de "Ugla", palavra que imita o som do seu canto, e que daria origem ao termo "Ugly", feio em inglês. É interessante que ao identificar um animal para símbolo disso ou daquilo, a cultura universal escolhe àqueles de aparência esquisitas. Como o sapo, símbolo da fartura e boa sorte, e a águia símbolo da transformação do ser humano. Conforme a história, diferentes civilizações adotaram estranhos animais para simbolizar a sabedoria. Como a tartaruga para os chineses e um peixe para os Celtas. No esoterismo que envolve parte da simbologia da Coruja, encontramos uma sociedade secreta chamada Bohemian Club, fundada em 1872, em São Francisco, EUA, onde os membros se reúnem periodicamente. Anualmente, a sociedade convida para um grande encontro, homens poderosos da elite, e o encontro é realizado em um grande bosque chamado Bohemian Grove, onde há uma grande pedra em forma de coruja no centro. O termo "coruja", geralmente, também é usado para referir-se ao pai ou a mãe, que ressaltam com certo exagero, as qualidades dos filhos, mas também é estendido a outros familiares como tios, avós e outros. A coruja nas mais diferentes culturas África do Sul: A coruja é a mascote do feiticeiro zulu. E no xamanismo é reverenciada por enxergar a totalidade. Argélia: A crença diz que colocar o olho direito de uma coruja na mão de uma mulher dormindo, fará com que ela conte segredos. Austrália: Os aborígenes acreditam que a coruja representa o espírito da mulher. O espírito do homem é representado pelo morcego. Babilônia: Origem do mito de Lilith, onde amuletos de coruja protegiam as mulheres durante o parto. O mito foi citado pela primeira vez no épico Gilganesh, escrito em 2000 A.C. . Lilith era uma linda jovem com pés de coruja, que denunciavam sua vida notívaga. Ela era uma vampira da curiosidade, que dava aos homens o desejado leite dos sonhos. Brasil: Matita Perê é uma velha vestida de preto, com os cabelos caídos pelo rosto. Diz a lenda, que ela tinha poderes sobrenaturais e preferia aparecer nas noites sem luar, sob a forma de uma coruja. Na tradição guarani, o espírito Nhamandu, o criador, manifestou-se na forma de coruja para criar a sabedoria. No dicionário, o adjetivo corujeiro é um elogio, e significa agradável e, o melhor, disposto a tudo. No folclore brasileiro, diz que para que os seus filhotes não fossem vítimas de predadores, ela avisava que seria fácil reconhecê-los, eles eram os "mais bonitos" da floresta. Daí o dito popular: "Toda a coruja gaba-se do seu toco", referindo-se ao ninho de seus horríveis filhotes. Assim como uma mãe elogia seus rebentos, mesmo sabendo que eles não têm nada de beleza. China: A coruja está associada ao relâmpago. Usar imagens de coruja em casa protege contra os raios. Estados Unidos: A tradição dos índios norte-americanos, diz que a coruja mora no Leste, lugar de iluminação. Assim como a humanidade teme a escuridão, a coruja enxerga o breu da noite. Onde os humanos se iludem, ela percebe com clareza, acreditavam os índios. Entre os índios americanos, a coruja tinha muito poder: Para os apaches, sonhar com ela significava a morte. Os dakotas viam a coruja como um espírito protetor. Os hopis tinham a coruja como guardiã do fogo. França: A coruja é o símbolo de Dijon, cidade francesa. Há uma escultura de coruja na Catedral de Notre Dame, e quem passa a mão esquerda nela ganhar sabedoria e felicidade. Grécia: Os gregos consideravam a noite o momento propício para o pensamento filosófico. Por sua característica noturna, era vista pelos gregos como símbolo da busca pelo conhecimento. Elas faziam seus ninhos na Acrópole, e os gregos achavam que sua visão noturna vinha de uma luz mágica. Ela era símbolo de Atenas, ao lado dos exércitos, na guerra. As antigas moedas gregas (dracmas) tinham uma coruja cunhada no verso. Índia: Sua carne é considerada uma iguaria afrodisíaca. E também serve para curar dores reumáticas. Inglaterra: A coruja branca servia para que os ingleses pudessem prever o tempo. Quando a ouviam guinchar, significava que iria esfriar, ou que uma tempestade, estava vindo. Os curandeiros curavam a bebedeira e a ressaca, com ovos de coruja crus. O costume britânico de pregar uma coruja na porta do celeiro para espantar o mal, durou até o século XIX. Marrocos: O olho de uma coruja, preso em um cordão no pescoço, é um excelente talismã. Peru: Cozido de coruja serve de remédio para quase tudo. Roma Antiga: No Império romano, ela era tida como animal agourento. Ouvir o seu pio era presságio de morte iminente. As mortes de Júlio César, Augusto, Aurélio e Agripa, foram anunciadas por uma coruja. Betty Ziade

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

A vida é uma tela vazia.Osho.

A vida em si é uma tela vazia. Ela torna-se qualquer coisa que você venha a pintar. Você pode pintar a miséria, você pode pintar o êxtase. Esta liberdade é a sua glória. Você pode usar esta liberdade de maneira tal que toda a sua vida se torne um inferno, ou de maneira que sua vida se torne bela, abençoada, cheia de êxtase, uma coisa divina. Depende de você – o homem tem toda liberdade. Perceba que é por isso que existe tanta agonia; porque as pessoas são tolas e não sabem o que pintar nelas. Tudo depende de você – essa é a glória do homem. Essa é uma das maiores dádivas que Deus lhe deu. Nenhum outro animal recebeu a dádiva da própria liberdade. Todos os animais são programados, exceto o homem. A rosa tem que ser uma rosa, a flor de lótus tem que ser uma flor de lótus; o pássaro terá asas, o animal andará sobre quatro patas. O homem é totalmente livre. Esta á a sua beleza. Você é deixado desprogramado. Você tem que criar a si mesmo. Portanto, tudo depende de você: você pode se tornar um Buda – ou você pode se tornar um Hittler. Você pode se tornar um assassino ou um meditador. Você pode permitir a si mesmo tornar-se um lindo florescimento da consciência, ou você pode se tornar um robô. Mas lembre-se: A vida não é nem miséria nem glória. A vida é uma tela vazia e requer uma grande arte. Você é o responsável – e somente você, ninguém mais.

O Desapego.Osho.

O amor é a única libertação do apego. Quando você ama tudo, não está preso a nada. Na verdade, o fenômeno do apego precisa ser entendido. Por que você se agarra a algo? Porque tem medo de perdê-lo. Talvez alguém possa roubá-lo. Seu medo é de que amanhã você não possa ter o que tem hoje. Quem sabe o que acontecerá amanhã? A mulher ou o homem que você ama… qualquer movimento é possível: vocês podem se aproximar ou podem se distanciar. Vocês podem novamente se tornar estranhos ou podem ficar tão unidos que não seria correto dizer nem mesmo que vocês são duas pessoas diferentes; é claro, existem dois corpos, mas o coração é um só, a canção do coração é uma só e o êxtase os envolve como uma nuvem. Vocês desaparecem nesse êxtase: você não é você, ela não é ela. O amor passa a ser tão total, tão grande e irresistível que você não pode permanecer você mesmo; você precisa submergir e desaparecer. Nesse desaparecimento, quem se prenderá, e a quem? Tudo é. Quando o amor desabrocha em sua totalidade, tudo simplesmente é. O receio do amanhã não surge, daí não surgir a questão do apego. “Todas as nossas misérias e sofrimentos não são nada mais do que apego. Toda a nossa ignorância e escuridão é uma estranha combinação de mil e um apegos. Nós estamos apegados a coisas que serão levadas no momento da morte, ou mesmo, talvez, antes. Você pode estar muito apegado a dinheiro, mas você pode ir à bancarrota amanhã. Você pode estar muito apegado a seu poder e posição, mas eles são como bolhas de sabão. Hoje eles estão aqui; amanhã eles não deixarão nem um traço. (…) Todas as nossas posições, todos os nossos poderes, nosso dinheiro, nosso prestígio, respeitabilidade são todos bolhas de sabão. Não fique apegado a bolhas de sabão; senão, você estará em contínua miséria e agonia. Essas bolhas de sabão não se importam por você estar apegado a elas. Elas continuam estourando e desaparecendo no ar e deixando-o para trás com o coração ferido, com um fracasso, com uma profunda destruição de seu ego. Elas o deixam triste, amargo, irritado, frustrado. Elas transformam sua vida num inferno. Compreender que a vida é feita da mesma matéria que os sonhos é a essência do caminho. Desapegue-se: viva no mundo, mas não seja do mundo. Viva no mundo, mas não permita que o mundo viva dentro de você. Lembre-se que ele é um belo sonho, porque tudo está mudando e desaparecendo. Não se agarre a nada. Agarrar-se é a causa de sermos inconscientes. Se você começar a se desprender, uma tremenda liberação de energia acontecerá dentro de você. A energia que estava envolvida no apego às coisas trará um novo amanhecer ao seu ser, uma nova luz, uma nova compreensão, um tremendo descarregar – nenhuma possibilidade para a miséria, a agonia, a angustia. Ao contrário, quando todas essas coisas desaparecem, você se encontra sereno, calmo e tranqüilo, numa alegria sutil. Haverá um riso no seu ser. (…) Se você se tornar desapegado, você será capaz de ver como as pessoas estão apegadas a coisas triviais, e quanto elas estão sofrendo por isso. E você rirá de si mesmo, porque você também estava no mesmo barco antes. O desapego é certamente a essência do caminho.”

Oração para o 1º Dia do Ano.

Ó Deus eterno e onipotente, com a vossa graça damos princípio a este novo ano! Que será de nós no seu decurso? Passá-lo-emos santamente? Chegaremos até seu fim? Só Vós o sabeis, Senhor. A nós só cumpre entregá-lo totalmente em vossas mãos, confiando unicamente na vossa misericórdia. Começamo-lo oferecendo-vos as mais devotas e fervorosa homenagens do nosso coração, como as primícias desse novo ano. Nós vos adoramos, vos louvamos e vos bendizemos, ó fonte de todo bem. Desejamos que sejais adorado, louvado e engrandecido por todas as criaturas. Consagramo-vos o nosso corpo, a nossa alma, todos os nossos sentidos, todas as nossas faculdades e potências, e toda nossa vida. Nós vos oferecemos todos os nossos pensamentos, afetos, palavras e obras. Ó, quem nos dera passar este ano em perfeito holocausto à vossa divina glória! Tais são nossos desejos. Mas, Senhor, Vós bem sabeis quão fracos e mesquinhos somos. Dignai-vos, pois, derramar sobre nós a torrente de vossas graças, para que, com elas fortificados, superemos os obstáculos, vençamos as dificuldades, e só vivamos para vossa honra e glória, e para a santificação de nossas almas. Virgem Santíssima, São José, Anjo da Nossa Guarda, todos os santos e santas da corte do Céu, intercedei por nós no decurso deste novo ano. Assim seja.

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

HO'OPONOPONO .

"Sinto muito" e "Te amo" - Processo de cura Havaiano: Ho'oponopono significa amar-se a si mesmo Já ouvimos muitas vezes que criamos nossa realidade, que o mundo é um reflexo de quem somos, que somos todos um, que tudo começa e termina em nós. Acredito que vocês já saibam disto. Mas, outra coisa é verificar se, de fato, compreendemos a essência de todas as afirmações que fazemos. Existe um processo de cura e perdão criado por uma tribo havaiana, a dos Kahunas. O método chama-se: Ho´oponopono. Parece estranho dizer que existe um processo de perdão, mas vejam só: Você julga ou condena alguém por algo que tenha dito ou feito, ou deixado de dizer ou fazer? Você julga ou condena quando sabe que alguém está doente, porque não teve bons hábitos alimentares ou higiênicos ou sexuais? Você julga ou condena quando vê alguém repetir uma situação? Você julga ou condena quando alguém sofre por um mal, que outra pessoa tenha feito? Então, você é humano! E por ser humano, tem consciência de seus pensamentos, portanto, condições de modificá-los, se quiser... Esse processo consiste em curar e perdoar primeiramente você, porque somos espelhos do mundo, o mundo reflete nossos pensamentos e ações, as pessoas refletem nossos pensamentos, ações, emoções e comportamentos. Devemos também sempre nos lembrar que o perdão é um processo, não é um fim em si mesmo. Estamos sempre precisando perdoar algo, seja em nós mesmos, nos outros, nos eventos ou nas instituições. Portanto, tenha em mente que hoje é um bom dia para perdoar. Falando assim, parece estranho, mas se você desejar melhorar a sua vida, você deve cura-se e perdoar-se. Se você deseja curar ou perdoar alguém, mesmo um criminoso mentalmente doente, você faz curando a si mesmo. É tão simples! Nada está do lado de fora, mas dentro de você, da sua mente. Para todos e para cada um de vocês: Sinto muito, eu te amo! Não importa que tipo de problema existe, trabalhe com você mesmo. DR.LHALEAKALA HEW LEN - Terapeuta