contos sol e lua

contos sol e lua

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

ANJO.


Um rosto de anjo sorri para mim
Debaixo de uma manchete de tragédia
Aquele sorriso costumava me trazer calor
Adeus - sem palavras pra dizer
Ao lado da cruz sobre a sua sepultura
e aquelas velas que queimam eternamente

Necessários em toda parte
Para nos lembrar da rapidez do nosso tempo
Lágrimas derramadas por eles
Lagrimas de amor, lagrimas de medo
enterre meus sonhos,
desenterre minhas tristezas
Oh Deus, por que
os anjos caem primeiro?

Não revivido pelos pensamentos do Shangri-La
Nem iluminado pelas lições de Cristo
Eu nunca entenderei o significado do que é certo
Ignorância me carregue para a luz

Necessários em toda parte

Me cante uma canção
da sua beleza
do seu reino
que as melodias de suas harpas
consolem aqueles de quem ainda precisamos

Ontem, nós apertamos as mãos
Meu amigo
Hoje um raio de luar ilumina meu caminho
Meu guardião.A.D.

Um comentário:

I am Scorpion disse...

gostei muito do poema me traz varias lembranças estou gostando muito do seu blog parabens